Página inicial

Como atiçar a brasa

 


março 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31            
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004
maio 2004
As últimas:
 

março 16, 2019

Rodrigo Moura, nuevo curador jefe del Museo del Barrio por Gustavo Pérez Diez, ArteInformado

Rodrigo Moura, nuevo curador jefe del Museo del Barrio

Matéria de Gustavo Pérez Diez originalmente publicada no site ArteInformado em 15 de março de 2019.

Desde hace casi tres años Moura venía ejerciendo de curador adjunto en el Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, tras haber sido director de arte y programas culturales del Instituto Inhotim de Minas Gerais (Brasil), durante casi 12 años.

La plaza de curador jefe en el museo neoyorquino llevaba vacante más de cinco años. La última persona en ocuparla fue la curadora española Chus Martínez.

El curador brasileño Rodrigo Moura se incorporará de forma inmediata a El Museo del Barrio, de Nueva York, como nuevo curador jefe, según la nota emitida por el museo neoyorquino. Moura deja su actual puesto de curador adjunto en el Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, bajo la dirección artística del brasileño Adriano Pedrosa, para trabajar al lado del mexicano Patrick Charpenel, director ejecutivo del museo neoyorquino desde hace casi dos años.

Moura, que iba a cumplir casi tres años en su anterior puesto, llega para ocupar una posición que llevaba vacante más de cinco años. La última curadora jefe del Museo fue la española Chus Martínez, quien lo desempeñó, poco más de un año, anunciando, en diciembre de 2013, que dejaba la institución neoyorquina para convertirse en directora del Instituto de Arte de la FHNW - Academy of Art and Design de Basilea (Suiza).

El nuevo curador jefe es uno de los curadores más respetados de su país, habiendo sido durante casi doce años director de arte y programas culturales del Instituto Inhotim de Minas Gerais (Brasil), un proyecto impulsado y liderado por el empresario y coleccionista brasileño Bernardo de Mello Paz.

Entre sus últimas curadorías, varias en el MASP, como la actual exposición "Djanira: a memória de seu povo", junto a Isabella Rjeille, de la desaparecida artista paulista Djanira da Motta e Silva; e, gualmente, en otras instituciones tanto brasileñas como extranjeras: "Fragmentos do real (Atalhos)" del también artista paulista Fabio Miguez en el Instituto Figueiredo Ferraz (São Paulo) o "Visiones de la tierra / El mundo planeado" con obras del coleccionista brasileño Luís Paulo Montenegro en la Sala de Arte de la Fundación Santander en Boadilla del Monte (Madrid), entre otras.

"Con gran entusiasmo me uno al equipo de El Museo del Barrio para imaginar e implementar una nueva visión curatorial para esta institución histórica y singular", ha dicho Moura, quien, además, ha añadido que "el departamento curatorial está preparado para expandir aún más el canon histórico del arte y aumentar la relevancia del arte latino/latinx y latinoamericano en el escenario internacional y me siento honrado y emocionado de continuar con este legado".

Por su parte, Charpenel ha comentado: "Rodrigo trae una visión curatorial audaz a El Museo del Barrio, combinando pensamiento innovador enérgico con habilidades de liderazgo perfeccionadas durante doce años en una de las principales instituciones culturales de Brasil. Su comprensión de las necesidades de los artistas emergentes y su enfoque interseccional de las exposiciones, la educación y los programas públicos lo hacen excepcionalmente preparado para dar forma al marco curatorial de El Museo y dirigir nuestras iniciativas curatoriales. Estoy seguro de que será una gran adición a nuestro equipo mientras planeamos el brillante futuro de El Museo".

Con esta nueva incorporación el mexicano Patrick Charpenel sigue configurando su nuevo equipo curatorial, al que ya había incorporado, el pasado mes de agosto, a Susanna V. Temkin, como responsable de todos los aspectos de la producción e implementación de exposiciones temporales e itinerantes, de la colección permanente, así como de la programación relacionada, entre otros cometidos. Temkin venía de ser curadora asistente en la Americas Society, de Nueva York.

No todo han sido incorporaciones ya que ha habido señaladas salidas como la de la chilena Rocio Aranda-Alvarado, curadora, entre 2011 y 2018. Antes de ocupar este puesto fue curadora asociada, entre 2009 y 2011. En la actualidad, Aranda-Alvarado hace parte del equipo de Creatividad y Expresión Libre de la Ford Foundation Center for Social, en Nueva York.

Además, en los últimos tiempos el Museo del Barrio se ha visto envuelto en varias polémicas. Así, el pasado mes de enero el museo tuvo que dar marcha atrás en su intención de homenajear a la Princesa Gloria von Thurn und Taxis en su gala del quincuagésimo aniversario del museo, a celebrar el próximo mes de mayo, según publicó ArtForum. Esta conservadora princesa católica alemana y coleccionista de arte es bien conocida por sus estrechos lazos con Stephen Bannon así como con líderes de partidos políticos de extrema derecha en Alemania y Francia.

Tan solo unas semanas más tarde, tuvo que cancelar la primera gran retrospectiva en los EE.UU. del artista chileno Alejandro Jodorowsky, que tenía previsto inaugurarse a finales del pasado mes de febrero, tras conocerse una entrevista realizada en 1972 en la que Jodorowsky afirmaba haber violado a Mara Lorenzio, una de las co-protagonistas de la película surrealista El Topo (1970). Jodorowsky salió al paso de esta denuncia emitiendo un comunicado también publicado por Artforum.

Del mismo modo, pero, en clave positiva, cabe recordar que el artista puertorriqueño Tony Bechara, presidente emérito del Patronato de El Museo del Barrio, ha donado, en noviembre de 2018, un millón de Dólares para apoyar los programas de educación y curaduría del museo.

Sin duda, un apoyo económico que le vendrá muy bien a su nuevo curador jefe para crear un marco general para el departamento curatorial del museo y profundizar su relación con las comunidades puertorriqueña, latinx y latinoamericana, sus grandes audiencias.

Por último, caber referir que en su ya exmuseo, el MASP, también ha habido recientes nombramientos: los de la colombiana María Inés Rodríguez, exdirectora del CAPC musée d'art contemporain de Bordeaux, y la estadounidense Julia Bryan-Wilson, directora del Berkeley Arts Research Center, como nuevas curadoras adjuntas de arte moderno y contemporáneo del museo paulista.

Publicado por Patricia Canetti às 12:40 PM


março 13, 2019

osloBIENNALEN First Edition 2019–2024, e-flux

osloBIENNALEN First Edition 2019–2024

Nota publicada no e-flux em 11 de março de 2019.

A new format for a biennial in public space

Opening weekend: May 25–26

www.oslobiennalen.no
Instagram / Facebook / Twitter / #oslobiennalen

Curated by Eva González-Sancho Bodero and Per Gunnar Eeg-Tverbakk

Art in public space is different than art in a museum. It is free and accessible. It is often unexpected: a performance, a sculpture, a mural, a sound. Its surroundings are constantly changing and evolving. People can love it or react against it, perhaps passing by without even noticing it—or maybe it becomes an iconic symbol of the community.

It’s because of this difference that public space demands a different way of working with art and artists. What if we move away from traditional event-based biennials to a more diverse and questioning way of working?

With osloBIENNALEN First Edition 2019–2024, we are setting out to explore this and more.

On May 25, we will introduce our evolving programme of art in public space and spheres that unfolds over five years. Over the course of 2019, 26 projects by Oslo- and internationally-based participants will be introduced, while our expanding programme for the years ahead will be announced at regular intervals as the biennial moves forward in time.

On the opening weekend, residents and visitors to Oslo will be able to experience different projects by: Mikaela Assolent (FR), Benjamin Bardinet (FR), Julien Bismuth (FR), Anna Daniell (NO), Carole Douillard (FR), Ed D’Souza (UK), Mette Edvardsen (NO), Jan Freuchen, Sigurd Tenningen and Jonas Høgli Major (NO), Gaylen Gerber (US), Marianne Heier (NO), Hlynur Hallsson (IS), Michelangelo Miccolis (IT/MX); Mônica Nador and Bruno Oliveira (BR), Rose Hammer (Dora García (ES), Per-Oskar Leu (NO), Viktoria Durnak (NO), Nora Joung (NO)), Michael Ross (US), Belén Santillán (EC), Øystein Wyller Odden (NO), and Lisa Tan (US/SE).

On May 26, an introductory seminar will be held to present a series of forthcoming symposia, talks and public programmes.

A second set of projects will be launched from October 18, featuring confirmed works by Adrián Balseca (EC), Marcelo Cidade (BR), Jonas Dahlberg (SE), Edith Dekyndt (BE), Tomáš Džadoň (CZ), Javier Izquierdo (EC), Graziela Kunsch (BR), and Knut Åsdam (NO).

Further details on the programme will be unveiled in April. All biennial activities are open to the public and free of charge.

Ole G. Slyngstadli, Executive Director, osloBIENNALEN, says:

“The City of Oslo has a long-standing tradition of supporting art in public space and it is one of our priorities to find new ways of connecting the arts and the general public. The curatorial vision of this first edition sets the premise for a five-year programme evolving through a series of collaborations with artists and partner organisations, inviting you to rethink and explore Oslo’s public spaces through the production and display of works of art.”

osloBIENNALEN is curated by Eva González-Sancho Bodero and Per Gunnar Eeg-Tverbakk, the curatorial team behind OSLO PILOT, a two-year experimental and research-based project that laid the groundwork for the biennial.

As described by Eva González-Sancho Bodero and Per Gunnar Eeg-Tverbakk:

“More than a physical public space, a city is a dynamic sphere that is constantly moving, where tensions emerge between built objects and what happens in and around them. It’s a place where people meet, communicate, negotiate and create; where communities and cultures evolve. Working with this dynamic space, osloBIENNALEN will encompass both new and pre-existing works of art with varying tempos, rhythms and life-spans that go beyond established expectations of what is ephemeral, durational and permanent. Giving time, space and freedom for artists to work, we offer a framework to rethink the parameters of art production, display, collecting and mediation, thereby aiming at influencing cultural policies.”

In addition to the projects unfolding within and across the Oslo area, osloBIENNALEN will extend its activities to include other geographies and spheres in response to the works of art, their development and the collateral reflections that arise from them. Partnerships in Norway and further afield involve Accademia di Belle Arti di Brera, Milano (IT); Deichman Oslo Public Library (NO); Kunstnernes Hus (NO); Le Magasin des horizons, Grenoble (FR); Matter of Art Biennial, Prague (CZ); NMBU-Norwegian University of Life Sciences: Faculty of Landscape and Society (NO); Nordic Black Theatre (NO); OsloMet, Faculty of Technology, Art and Design (TKD), Department of Art, Design and Drama (NO); Oslo Open (NO); Pikene på Broen, Kirkenes (NO), Royal Institute of Art, Stockholm (SE); Stiftelsen Edvard Munchs Atelier (NO); Ultima (NO); and Winchester School of Art, Winchester (UK). More partners will be announced as the programme evolves.

Initiated and financed by the City of Oslo, Agency for Cultural Affairs, Norway, osloBIENNALEN opens on May 25, 2019 and runs until 2024. The biennial is the result of OSLO PILOT, a two-year experimental and research-based project that laid the groundwork for the biennial.

National press:
Hilde Herming, Head of Communications, osloBIENNALEN: T +47 916 94 390 / hilde.herming [​at​] oslobiennalen.no

International press:
Helena Zedig, Pickles PR: T +44 7803 596587 / helena [​at​] picklespr.com
Amanda Kelly, Pickles PR: T +34 685 875 996 / amanda [​at​] picklespr.com

Publicado por Patricia Canetti às 2:38 PM


Mostra internacional da Bienal de Veneza não tem brasileiro por Luana Fortes, seLecT

Mostra internacional da Bienal de Veneza não tem brasileiro

Matéria de Luana Fortes originalmente publicada na revista seLecT em 11 de março de 2019.

Brasil é representado apenas em seu pavilhão nacional, com obra de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca

“Vamos assumir de saída que arte não exercita sua força no domínio da política. Arte não pode deter o crescimento de movimentos nacionalistas e governos autoritários em diferentes partes do mundo (…)”, afirmou o novaiorquino de 62 anos Ralph Rugoff, responsável pela curadoria da exposição internacional da 58ª Bienal de Veneza, que abre para convidados em 8 de maio de 2019. “Mas de uma maneira indireta, talvez a arte possa ser uma espécie de guia sobre como viver e pensar em ‘tempos interessantes’. A 58ª Exposição de Arte Internacional não terá um tema per se, mas destacará uma abordagem geral de se fazer arte e uma visão sobre a função social da arte como prazer e pensamento crítico”, continuou o curador.

Para o brasileiro dos dias de hoje, que lida diretamente com o crescimento de movimentos nacionalistas e a ascensão de um governo autoritário, a declaração de Ralph Rugoff parece estar intimamente ligada ao seu contexto político e social. De fato, seria fácil identificar paralelos entre as propostas do curador e a produção de artistas no Brasil. Mas como são muitos os países e muitas as causas urgentes, parece que a brasileira não teve lugar na mostra principal de Veneza.

O título da exposição internacional é May You Live In Interesting Times – que em português significa algo próximo de Que Você Viva Em Tempos Interessantes. A frase pode parecer uma benção, mas é um ditado popular que significa exatamente o oposto dessa boa intenção. Como de praxe, a exposição internacional ocupa os dois grandes pavilhões Giardini e Arsenale da cidade italiana, enquanto 90 países exibem mostras paralelas em pavilhões nacionais.

A lista de artistas participantes tem 79 nomes, dos quais metade são da Europa ou Estados Unidos. Apesar de haver uma considerável participação de artistas asiáticos, a América Latina aparece pouco representada. Participam dois argentinos, dois mexicanos, um uruguaio e nenhum brasileiro. Sim, cinco latinos, nenhum brasileiro. De países africanos, marcam presença seis artistas.

O pavilhão do Brasil

Com esse olhar omisso por parte da curadoria da mostra internacional, a representação brasileira ficará totalmente nas mãos de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca. A dupla foi escolhida por Gabriel Pérez-Barreiro, curador da 33ª Bienal de São Paulo, para montar uma individual no pavilhão brasileiro da Bienal de Veneza.

Os artistas apresentam uma instalação inédita criada em torno do filme Swinguerra, com aspectos musicais, ficcionais e documentais sobre um fenômeno cultural do Recife. “A Swingueira é um tipo de manifestação de dança que se apropria do pagode baiano e é performado, dançado, praticado por jovens de 15 a 25 anos que se encontram em quadras esportivas para desenvolver coreografias e participar de competições”, explica Wagner à seLecT. O trabalho mostra os três grupos Extremo, La Mafia e Passinho do Maloka e traz reflexões implícitas sobre identidade, educação e políticas públicas.

Tanto nesse trabalho, quanto nos filmes anteriores da dupla, sua metodologia depende da colaboração com artistas de diferentes circuitos culturais distintos. Wagner e de Burca fazem cada vídeo com aqueles que o protagonizam. Mostram os diferentes modos de construção de identidade das personagens/pessoas, perpassando moda, comportamento e arte. “A gente está representando o Brasil, mas o que está exibido é um filme feito em colaboração. Isso é mais representativo do país do que nosso nome”, diz à seLecT de Burca.

O filme foi registrado na escola pública Atenção Integral à Criança e ao Adolescente – CAIC, em Peixinhos, Olinda. O complexo foi desenvolvido nos anos 1990 pelo arquiteto João Filgueiras, chamado de Lelé, como uma versão brasileira de projetos realizados por Oscar Niemeyer nos Estados Unidos. Foi aplicado em diferentes lugares do país e existe até hoje, muitas vezes em situações de abandono ou sucateamento. “Ainda que não seja fácil você perceber o CAIC no filme, para nós é muito importante mostrar essa arquitetura modernista em decadência. Porque o CAIC na verdade é um projeto de educação em decadência, que é ocupado e resgatado pelos jovens com a dança. A disputa, na verdade, é por educação, por conhecimento e por cidadania”, afirma Wagner.

Serviço
58ª Bienal de Veneza
De 11/5/2019 a 24/11/2019
labiennale.org

Publicado por Patricia Canetti às 2:34 PM


março 10, 2019

Artistas levam à Bienal de Veneza nova expressão de dança das periferias de Recife por Gustavo Fioratti, Folha de S. Paulo

Artistas levam à Bienal de Veneza nova expressão de dança das periferias de Recife

Matéria de Gustavo Fioratti originalmente publicada no jornal Folha de S. Paulo em 7 de março de 2019.

Bárbara Wagner e Benjamin de Burca documentaram competição realizada entre jovens em praças e quadras de escolas públicas

Expressão de dança e música que deu forma a um movimento de jovem nos bairros de periferia de Recife (PE), a swingueira será retratada em um trabalho inédito em vídeo e foto assinado pela dupla Bárbara Wagner e Benjamin de Burca na próxima edição da Bienal de Veneza.

A instalação “Swinguerra” ocupará as duas salas do Pavilhão Brasileiro do evento, que será realizado na cidade italiana a partir de maio, sob curadoria do espanhol Gabriel Pérez-Barreiro, curador da última Bienal de São Paulo. Depois, prossegue em cartaz até o fim do ano.

Como explica Wagner, a swinguera é um fenômeno criado em torno de competições anuais realizadas por jovens que têm idades entre 15 a 25 anos. “É muito acrobático e muito energético”, qualifica de Burca, e por isso oferecem mais dificuldades a quem está em faixa etária acima desta.

O trabalho estuda as competições realizadas entre os grupos formados por esses jovens. Os coletivos costumam ter entre 10 e 50 integrantes.

As apresentações são realizadas em geral em quadras esportivas de escolas públicas na periferia da capital pernambucana, em condomínios populares ou ainda em praças. Após as apresentações, os grupos são avaliados por jurados, o que também aproxima essa manifestação do universo das escolas de samba. São analisados diversos elementos, como figurinos, composição coreográfica e música.

Os competidores não costumam ganhar prêmios em dinheiro, motivam-se tanto pela experiência como pelo prestígio que conquistam junto à rede de grupos formados na expansão dessa expressão, explica Wagner.

Os artistas fazem com essa experiência mais um acréscimo ao repertório criado a partir da associação com artistas ligados a movimentos populares, o que resulta em uma forma específica de documentação.

Assim como fizeram em trabalhos sobre o funk, o frevo, o brega ou mesmo o universo musical das igrejas evangélicas, eles chamam os retratados a colaborarem com o conceito geral da mostra, colocando-os na iminência de uma coautoria. O filme acompanha ensaios de três grupos de dança: um de swingueira; outro de brega, movimento já abordado pelo duo no filme “Estás vendo coisas” (2016).

Wagner estabelece uma diferença entre esse novo campo de pesquisa e os demais. “No caso da swingueira, o que há de mais interessante é que ele não é um fenômeno do mercado”, diz.

A comparação imediata é o estudo realizado com o frevo, que a Unesco reconhece como patrimônio da humanidade, o que estimulou o uso de sua imagem em propagandas do governo de Pernambuco.

O duo também vai documentar neste trabalho as maneiras como a swingueira criou metodologias singulares, como a utilização do pagode baiano nas bases rítmicas. “O que essa garotada faz é cortar e colar música do pagode baiano e fazer coreografias para isso”, diz Wagner.

A mostra será composta de uma videoinstalação com dois canais que se complementam na sala maior. Também haverá uma instalação ‘site-specific’ com retratos dos participantes que toparam participar deste novo trabalho.

Embora sua realização tenha tido início no final de 2018, “Swinguerra” vem sendo gestado desde 2015. Pérez-Barreiro lembra que o público da Bienal de Veneza tem a especificidade de ser composto por profissionais do próprio meio artístico, o que permite a projeção internacional de seus participantes.

Para ele, embora haja ali o retrato de um universo popular, “Swinguerra" se caracteriza pela autenticidade e por ser também hermético, colocando em evidência artistas à margem.

Publicado por Patricia Canetti às 3:38 PM


março 5, 2019

DHL impede seLecT de ir à ARCOMadrid, revista seLecT

DHL impede seLecT de ir à ARCOMadrid

Matéria originalmente publicada na revista seLecT em 28 de fevereiro de 2019.

Sexo e Arte é o tema da edição 41 da seLecT, com o ator Paulo César Pereio na capa

A área que a revista seLecT ocuparia no setor de revistas de arte da feira ARCOMadrid, que foi aberta hoje pelo rei Filipe VI na Espanha, amanheceu vazia. A revista foi surpreendida por uma decisão da transportadora DHL, empresa multinacional contratada pelos Correios brasileiros para fazer o transporte dos exemplares a Madri.

O lote de revistas destinado à ARCOMadrid deveria ter seguido para a Espanha no último dia 21, onde chegaria até as 7h de 25/2. O primeiro alerta à seLecT veio da Administradora de La Aduana de Coslada, informando que o lote não havia chegado a Madri.

Na tarde do dia 25, o departamento Sedex Mundi, dos Correios, enviou e-mail à Editora Três informando que devolveria o pacote com exemplares da edição 41 de seLecT por ter sido “expedido de forma irregular”. O e-mail, assinado pela Sedex Mundi, dá conta de que “após análise do operador logístico foi constatado o envio de material considerado impróprio para o envio”.

Após questionamentos da seLecT e da Editora Três, no dia 26/2 o gerente operacional da Agência São Gabriel, em São Paulo, escreveu que aguardava “o objeto adentrar junto com o Comunicado de Irregularidade na unidade São Gabriel” para poder informar qual seria a impropriedade alegada. Escreveu também que no ato da postagem os Correios trabalham com NTF quando se trata de envio de pessoa jurídica. “Não temos autorização para abrir o pacote e verificar o conteúdo”, escreveu o gerente.

Item proibido

No dia 26 (terça), a editora foi informada pelos Correios que “as revistas em questão se encaixam em algum dos itens proibidos”. No comunicado seguinte, a informação foi de que a DHL julgou “impróprio (artigo Indecente ou Obsceno)”, por isso devolveram para os Correios.

“Esta edição foi 100% shrinkada”, afirma a gerente de Circulação Avulsas da Editora Três, Yuko Lenie Tahan, sobre o sistema de plastificação de cada exemplar. O procedimento foi adotado pois as páginas internas da edição 41 da seLecT, dedicada ao tema Sexo e Arte, trazem algumas fotos com imagens de nudez e sexualidade.

Na capa, a seLecT 41 informa com destaque que a venda é proibida para menores de 18 anos, como estabelece a legislação brasileira.

Só não esperava que a empresa multinacional DHL fosse recusar a remessa dos exemplares plastificados para Madri.

“Fomos pegos completamente de surpresa e estamos arrasados”, disse a diretora de Redação da seLecT, Paula Alzugaray. Já havíamos distribuído convite para o público internacional informando que a revista estaria na ARCO. “Depois de todos os episódios recentes envolvendo censura a manifestações artísticas no Brasil, não imaginávamos que seríamos censurados na saída do país”.

A edição 41 da seLecT traz na capa uma foto histórica de Paulo Garcez de performance realizada pelo ator Paulo César Pereio em 1981. A foto foi originalmente publicada na revista Careta, naquele ano.

A revista seLecT é distribuída em bancas de jornal no Brasil e pode ser lida e assinada pela Internet no endereço: www.select.art.br. Também está disponível para venda avulsa na App Store e no Google Play, para leitura em celular e tablet.

Publicado por Patricia Canetti às 12:16 PM