Página inicial

Como atiçar a brasa

 


dezembro 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    
Pesquise em
Como atiçar a brasa:

Arquivos:
dezembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
outubro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
abril 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004
maio 2004
As últimas:
 

dezembro 15, 2020

O espetáculo deve continuar? por Fabio Cypriano, Arte!Brasileiros

O espetáculo deve continuar?

Matéria de Fabio Cypriano originalmente publicada na revista Arte!Brasileiros em 20 de outubro de 2020.

Passaram-se sete meses de pandemia e a pergunta é: faz sentido a reabertura dos museus sem algum tipo de reflexão sobre essa pausa forçada?

Escrevo este texto fora de São Paulo, onde estou passando a pandemia, um tanto abismado com as imagens nas redes sociais da reabertura das instituições de arte na capital.

Muitos artistas, intelectuais, curadores e até galeristas escreveram nos últimos meses que após esse momento o sistema da arte precisaria mudar, que chegava o momento de desacelerar o circuito, que era hora de se atentar para novas questões que se impunham dentro do contexto de crise sanitária.

Nas imagens que vejo, nada mudou. Seguem as mostras que estavam em processo de montagem no mês de março, às vésperas da abertura da feira SP-Arte, um ponto de inflexão no calendário de museus e galerias, quando a tendência ao espetáculo e à opulência costuma crescer sem pruridos.

Passaram-se sete meses e minha questão é: faz sentido a reabertura dos museus sem algum tipo de reflexão sobre essa pausa forçada? Afinal, durante esse período nada menos que 150 mil mortes ocorreram e seguem ocorrendo no país pela falta de um governo sensato, a Amazônia e o Pantanal estão em processo de destruição, negras e negros estão sendo assassinados brutalmente e manifestações contundentes sendo realizadas pelo mundo afora, e o fascismo cresce em popularidade no país.

Nesse contexto, as instituições de arte reabrem como se nada estivesse acontecendo e mantêm a mesma programação de março de 2020? Esses sete meses nos perpassaram como anos e suas consequências ainda são difíceis de prever, mas além do óbvio cuidado com higiene e formas de evitar a contaminação, essas instituições não conseguem ir além de “o espetáculo precisa continuar”?

Amigos que foram ver as mostras em cartaz, testemunharam que não há – seja na Pinacoteca, no Museu de Arte Moderna de SP ou no MASP, por exemplo – nenhum tipo de posicionamento sobre o momento atual. A lógica do cubo branco, que isolou o espaço expositivo do mundo ao redor, teria agora sido incorporada como política institucional de negacionismo do contexto?

Durante o VI Seminário Internacional que ARTE!Brasileiros organizou no início de outubro, totalmente pensado frente às questões urgentes deste tempo difícil, Ailton Krenak foi direto em um recado ao circuito da arte: “É como se a ideia das nossas bienais de arte, das nossas galerias estivessem todas ficado no passado, vencidas pelo tempo, pela urgência de uma nova mentalidade, de nós os humanos aprendermos a pisar com cuidado, a pisar suavemente na Terra profundamente marcadas pelas nossas pegadas, que nos puseram no limiar desse Antropoceno.”

Onde está a sensibilidade das gestões desses museus para encarar uma nova mentalidade?

Publicado por Patricia Canetti às 11:13 AM


“Desverticalizar” o museu por Fabio Cypriano, Arte!Brasileiros

“Desverticalizar” o museu

Matéria de Fabio Cypriano originalmente publicada na revista Arte!Brasileiros em 30 de outubro de 2020.

Keyna Eleison e Pablo Lafuente assumem a direção artística do Museu de Arte Moderna do Rio e, em dupla, defendem para a instituição uma lógica marcada pela diversidade e negociação

Desde o dia 1º de setembro passado, o Museu de Arte Moderna do Rio (MAM Rio) tem à frente uma nova direção artística, escolhida a partir de um edital público, em um exercício de transparência raro no cenário nacional. A proposta veio do diretor executivo do museu, Fabio Szwarcwald, que assumiu o posto no início do ano.

Essa nova direção artística carrega ainda outra novidade: a gestão exercida por uma dupla, a brasileira Keyna Eleison e o espanhol Pablo Lafuente, que vive no Brasil há sete anos, desde que fez parte da equipe curatorial da 31ª Bienal de São Paulo, intitulada Como (…) coisas que não existem. Em comum, ambos passaram “pelas várias posições que envolvem a prática da arte: escrita, curadoria, gestão, educação”, como definiu Lafuente durante entrevista virtual concedida à arte!brasileiros no início de outubro. Entusiasmados na nova função, respondiam com humor e se revezando, em uma sintonia característica de casal novo.

Durante a ditadura militar, o MAM carioca protagonizou alguns dos momentos mais marcantes da história da arte no Brasil, como na mostra Nova Objetividade, em 1967, onde Hélio Oiticica apresentou seu penetrável Tropicália, e nos Domingos da Criação, encontros promovidos por Frederico Morais com artistas experimentais na área externas do museu, em 1971. Desde então, contudo, a instituição foi se fechando e há muito deixou de ser referência, desafio que se impõe à dupla. “Nós compartilhamos essa leitura sobre a potência histórica e, em nosso projeto, discutimos o que pode ser um processo de abertura do MAM”, conta Eleison.

“O MAM, mesmo antes do Frederico Morais, começa em um prédio que era o Bloco Escola (inaugurado em 1958) e só depois vem o Bloco de Exposições (1967). Então, ele já começa com práticas outras como a pedagogia, que faz parte da criação, e resulta em processos de exposição, que por sua vez resultam em projetos pedagógicos, tudo isso acompanhado da Cinemateca, um arquivo que se conserva e se exibe. Essa conjunção de práticas é fundamental para a história do MAM”, explica Lafuente. Para ele, isso representa “uma complexidade orgânica, onde todos os processos se alimentam uns aos outros, sem que nenhum deles seja o centro”.

Levando em conta essa contextualização, a nova gestão chega cumprindo a agenda deixada pelos antecessores. “A gente tem um legado institucional para celebrar. E a palavra é mesmo essa, porque é comum que, quando entra uma nova direção, a antiga seja demonizada. Não é nesse sentido que queremos trabalhar. Então será a partir de julho do próximo ano que teremos uma contundência maior”, conta Eleison. Fernando Cocchiarale e Fernanda Lopes deixam a curadoria em outubro e uma nova vaga se abre e será preenchida por concurso.

Mas, se do ponto de vista da programação a proposta da dupla só será mesmo mais visível em 2021, há um componente de gestão distinto, como afirma Lafuente, que já será exercido agora: “O MAM não tinha direção artística. Tinha curadoria, curadoria da cinemateca. Entramos com a responsabilidade de criar uma identidade de projeto artístico para essa diversidade de ações.”

Assim, para além da própria programação, há uma nova atitude a ser revista no museu criada a partir da gestão compartilhada. “A dupla é importante para nós porque cria uma diversidade obrigatoriamente. Não tem como duas pessoas terem um olhar idêntico. A gente coincide em muitas perspectivas, mas também diverge em apreciações e histórias. A diversidade é constitutiva e a negociação também”, segue Lafuente.

No projeto vencedor apresentado à comissão de seleção para a diretoria artística do museu, com 38 páginas, o trabalho em dupla é colocado em uma contextualização histórica: “Diretorias duplas não são novidade em contextos artísticos ou em cenários não artísticos. Um dos princípios operativos do Partido Verde alemão é o Doppelspitze, que determina que todas as diretorias devem estar formadas por duas pessoas, uma de gênero feminino e outra masculino”.

Propor novas formas de gerir instituições de arte é essencial no contexto brasileiro, marcado em geral por uma grande centralização e personalização, já a partir de suas presidências, como ocorreu no MAM paulista durante a gestão de Milú Villela, que permaneceu no poder por nada menos que 24 anos, de 1995 a 2019, com poderes absolutos.

Nova ordem

“Queremos entender o MAM como uma estrutura só, o que é o nosso maior jogo dentro da instituição”, conta Eleison, que é completada por Lafuente: “A gente está criando corpos de decisão mais extensos; não é apenas a pessoa que está na gerência de educação e participação que vai decidir isoladamente qual será o programa público, mas ela vai ativar outras áreas de dentro e mesmo de fora do museu.”

Com isso, para se pensar como um museu deve atuar agora, a nova gestão busca exercitar isso na administração da própria instituição, criando relações mais horizontais? “Estamos tentando trabalhar desverticalizando o museu. Acho melhor a expressão desverticalizar do que horizontalizar, porque o próprio termo horizontal não procede no dia a dia. Afinal, nós continuamos sendo os diretores artísticos, há gerentes, têm nomeações que são importantes para serem dadas e responsabilizadas, e tem salários também”, define Eleison.

“A gente tem que negociar nossas propostas com diferentes equipes, somos responsáveis por um grupo grande, e têm outras gerências que não são nossas. Então temos uma proposta que tem que ser negociada por quem está aqui”, conta Lafuente.

Com isso, eles esperam socializar, com públicos internos e externos, as decisões, tanto artísticas como de gestão. E ao dar visibilidade esses processos podem ser monitorados e avaliados. “Queremos forçar a estrutura para ver até onde ela pode chegar, repetir por repetir não faz sentido”, diz Lafuente. No projeto apresentado há um cronograma detalhado de como se dará o processo de tomada de decisões no museu, que inclui reuniões semanais e quinzenais das equipes.

Entre as ações que devem marcar a gestão está a própria utilização do edifício icônico projetado por Affonso Eduardo Reidy (1909-1964). “Recuperar a visão do prédio é fundamental, já que é um museu que se pensa estruturalmente aberto. O Reidy tem um texto muito bonito sobre a luz que entra pelas janelas, de como ela cria uma experiência sensorial que enriquece qualquer experiência das obras de arte. Isso na história da arte é polêmico, pois escapa do cubo branco. E ao longo dos anos foram sendo dispostas paredes na frente das janelas para que a luz, o sol, as árvores e as pedras gigantes da Baía de Guanabara não entrassem. A gente quer recuperar isso física e simbolicamente, que o externo influencie o interno”, conta Lafuente.

Outro eixo que a dupla pretende implementar é abrir a instituição para aquilo que não está lá – objetos, saberes, pessoas – poder entrar, como diz Eleison: “É uma gestão de questionamento institucional muito forte. Uma das grandes questões é não só olhar para a inexistência de corpos, inteligências e objetos dentro das coleções, mas quando elas entram, como elas o fazem. Enquanto mulher preta me interessa um tipo de pesquisa sobre as pessoas que não foram colocadas aqui, o porquê elas não foram colocadas aqui e o que elas estavam fazendo”.

Com isso, o MAM Rio pode exercer uma relação mais autêntica com a produção que agora vem ocupando outras instituições, como a feminina, a negra, a indígena ou a queer – mas de forma um tanto estatística, como para cumprir uma agenda, sem, contudo, criar vínculos efetivos. “Nós não queremos trabalhar com a ideia de convite, porque quando há convite, está claro que o convidado não é daquele lugar. E nós queremos muito questionar a ideia do exótico, porque o que se chama de exótico é formativo da nossa estrutura”, conclui a diretora.

Publicado por Patricia Canetti às 11:09 AM


dezembro 11, 2020

Obituaries: Aldo Tambellini, Avant-Garde Filmmaker and Video Artist, Dies at 90 by J. Hoberman, New York Times

Aldo Tambellini, Avant-Garde Filmmaker and Video Artist, Dies at 90

Obituário escrito por J. Hoberman originalmente publicado no jornal New York Times em 12 de novembro de 2020.

A fixture of the Lower East Side’s ’60s art scene, he had an abiding interest in black. “‘Black,’” he wrote, “is not the opposite of white; it is a state of being.”

Aldo Tambellini, a sculptor turned avant-garde filmmaker, pioneer video artist and veteran practitioner of multimedia installations, died on Thursday in Cambridge, Mass. He was 90.

Anna Salamone, his partner and only immediate survivor, said he had died of complications following surgery at Spaulding Hospital.

Mr. Tambellini was notable for his community-based sense of cultural production, particularly during his years as an artist-activist on Manhattan’s Lower East Side. He was even more famous for his career-long interest in the color (or noncolor) black.

“It is striking that one of the true pioneers of video has seemed to base his entire production on a rejection of the centrality of light,” a critic observed in the magazine Artforum on the occasion of Mr. Tambellini’s 2012 retrospective at the Tate Modern in London. But for Mr. Tambellini, black was something more illuminating than the absence of light.

“‘Black’ is the expansion of consciousness in all directions,” he wrote in a 1967 manifesto, “Black Is the Awareness of a New Reality,” republished 42 years later in a catalog for his retrospective at the Pierre Menard Gallery in Cambridge, Mass. “I see ‘Black’ very clearly as the beginning of all things; and in the beginning it was ‘Black’ before the beginning. There was ‘Black’ before there was light in the whole universe. There is ‘Black’ inside the womb before the child is born. ‘Black’ is not the opposite of white; it is a state of being. We come from this womb. We come from this planet enveloped by ‘Black.’”

Mr. Tambellini also liked to dress in black. John G. Hanhardt, a former film and video curator for the Whitney Museum of American Art in New York, described him as “charismatic” and “a really important figure in the late 1960s.”

Mr. Hanhardt recalled that he had included the Tambellini video piece “Black Spiral” in a 1994 Whitney show marking the 25th anniversary of “TV as a Creative Medium,” the historic 1969 exhibition at the Howard Wise Gallery in Manhattan. At that time, Mr. Hanhardt said, Mr. Tambellini was living in Massachusetts and no longer “a presence” in the art world.

Aldo Tambellini was born in Syracuse, N.Y., on April 20, 1930, the second son of John and Gina (Puccinelli) Tambellini. His father, a hotel waiter, was born in Brazil, where his father, an Italian immigrant, had established a coffee plantation. Mr. Tambellini’s mother had immigrated to the United States from a village in Tuscany.

His parents separated when Aldo was a baby, and he was sent to live with relatives in Italy amid the trauma of World War II. After the war, Mr. Tambellini returned to the United States with his mother. He studied art at Syracuse University and the University of Notre Dame before moving to the Lower East Side in 1959.

There, he began making sculptures using detritus harvested from demolished buildings. He considered his storefront studio a community space and developed an empty lot as an ad hoc sculpture garden. Though he rejected any connection with the established art world, Mr. Tambellini was associated with a number of Lower East Side artist groups, including the Center, which he founded, the Umbra poetry collective and the NO! art movement. He would later be affiliated with the European group ZERO.

Like many artists of the 1960s, Mr. Tambellini was influenced by the writings of the media theorist Marshall McLuhan, emblazoning one painting with the slogan “We are the primitives of a new era,” a nod to McLuhan. He began projecting handmade slides he called lumagrams on the sides of buildings, and he made movies, largely without a camera, that involved painting on or scratching the film emulsion. Screened as an example of psychedelic cinema, the experimental film “Black Is” was described by Dan Sullivan in The New York Times as “a dazzling succession of black-on-white and white-on-black splotches, dots, zigzags and starbursts.”

In 1966, Mr. Tambellini and his wife at the time, Elsa Tambellini, opened the Gate, a 200-seat theater at Second Avenue and 10th Street in the heart of the East Village. (The couple separated in the early 1970s.) Among the work screened there were early films by Brian De Palma, Jack Smith’s “No President” and Robert Downey’s absurd comedy “Chafed Elbows,” which ran for six months — sometimes shown on a double bill with Kenneth Anger’s “Scorpio Rising” — becoming something of an underground blockbuster.

The Gate also presented plays by, among others, LeRoi Jones (later known as Amiri Baraka). And on weekend midnights it provided a venue for “When Queens Collide” and other cross-dressing spectacles by Charles Ludlam’s Ridiculous Theatrical Company.

The Gate was itself a notable environment. Describing “the theaters of the underground” in Artforum, the critic and painter Manny Farber wrote that the Gate “starts as an entrance to an old apartment house, moves through a 1920s marble hallway, and engulfs the customer in a black chamber.”

“God help him,” he added. “The big sensation here is the ancient unreliable floor, which, like the ceiling in this blitzed miniature cathedral, is indescribable. Sometimes, the shredded carpeting, with its patches of masking tape, feels as spongy and sandy as the beach at Waikiki.”

Mr. Tambellini orchestrated what he called “electromedia” shows that involved slides, films, stroboscopic lights, dance, recorded sound and live music. In 1967, he and the German kinetic artist Otto Piene opened a second theater, the Black Gate, in an upstairs loft. This became a showcase for avant-garde artists like Yayoi Kusama, Nam June Paik and Charlotte Moorman.

Mr. Tambellini’s own pieces could be quite dramatic. Reporting in The Times on the electromedia event “Black Zero,” which had its premiere at the Brooklyn Academy of Music in 1968, Grace Glueck wrote that “Mr. Tambellini’s work got off to a slow start, but turned out to be something of a stunner.” The piece began with a taped voice indicting racial injustice in America and “gradually built up visual and aural imagery — sound, word, music, lights and slide projections — to a shattering crescendo.”

Toward the end, Ms. Glueck wrote, “a huge black balloon began to swell.”

“As it reached the bursting point," she continued, “something unplanned happened. It broke from its mooring and floated threateningly out over the audience, at whose hands it was finally exploded.”

Her review concluded that “as a symbolic comment on the explosive racial situation in this country, Mr. Tambellini’s work was a painfully literal experience. On another level, as well, it was a highly effective piece of abstract theater.”

Mr. Tambellini began working with video technology in the late 1960s. Along with Mr. Paik and Mr. Piene, he was one of the first video artists to have his pieces shown in a New York gallery and broadcast on television. While “Black TV” (1968) compressed two years of television news reports into a nine-and-a-half-minute barrage of sound and image, Mr. Tambellini also made more straightforward recordings. In 1971, he documented the meetings and activities of the Italian-American Civil Rights League, including the Columbus Circle rally in which the league’s founder, Joseph A. Colombo Sr., was assassinated.

Mr. Tambellini left New York in the mid-1970s, joining Mr. Piene as a fellow at the Center for Advanced Visual Studies at the Massachusetts Institute of Technology in Cambridge, Mass. He described his work there as “developing the concept of Communicationsphere, working with interactive telecommunications systems, primarily slow scan television and two-way cable TV.”

Mr. Tambellini’s early work was rediscovered in his later years and embraced by the art world he had largely disdained as commercial, retrograde and elitist. In 2009, “Black Zero” was recreated as part of the New York City performance biennial Performa. In 2013, a year after his career retrospective at the Tate Modern in London, he had an extensive one-man show at the James Cohan Gallery in Manhattan. In 2015, he was invited to exhibit a new installation in the Italian Pavilion at the 2015 Venice Biennale.

That same year, one of his more contemplative video pieces, the multichannel “Atlantic in Brooklyn,” dating from the early 1970s and consisting of footage that Mr. Tambellini had shot from his studio window overlooking the future site of the Barclays Center, was digitally remastered and reinstalled in a Brooklyn gallery. Reviewing the piece in The Times, Martha Schwendener wrote that “for New York audiences, ‘Atlantic in Brooklyn’ is an essential chapter in local and cinema history.”

The same could be said for Mr. Tambellini’s artistic career.

Alex Traub contributed reporting.

A version of this article appears in print on Nov. 14, 2020, Section B, Page 12 of the New York edition with the headline: Aldo Tambellini, Avant-Garde Filmmaker and Video Artist, Dies at 90.

Publicado por Patricia Canetti às 3:01 PM


Morre aos 90 anos Aldo Tambellini, artista radical obcecado com a cor preta, Folha de S. Paulo

Morre aos 90 anos Aldo Tambellini, artista radical obcecado com a cor preta

Matéria originalmente publicada no jornal Folha de S. Paulo em 13 de novembro de 2020.

Militante antirracista ficou famoso a partir dos anos 1960 por experimentações em vídeo e fotografia

Veja obras de Aldo Tambellini na matéria da Folha

Artista radical que realizou diversos trabalhos sobre o preto, Aldo Tambellini morreu nesta quinta (12) nos Estados Unidos, aos 90 anos.

Segundo sua mulher, Anna Salamone, a morte foi em decorrência de complicações após uma cirurgia no hospital Spaulding, em Cambridge, no estado de Massachussetts.

O artista estava internado desde o início de outubro, segundo Adriano Casanova, da galeria paulistana Casanova, que atualmente exibe uma mostra online de Tambellini, a última exposição a abrir enquanto ele ainda estava vivo.

O artista ítalo-americano ficou famoso a partir da década de 1960 por suas experimentações em vídeo e fotografia. Naqueles anos, Tambellini começou a intervir sobre o filme fotográfico, riscando e pintando o negativo, além de mergulhar o material em ácido.
Trabalho em vídeo de Aldo Tambellini, com o próprio artista representado na imagem - Aldo Tambellini Foundation / galeria Casa Nova

Ele também realizou uma série na qual punha negativos virgens em frente à televisão e ligava e desligava o monitor rapidamente, de forma a obter a queima do filme, gerando fotografias feitas sem câmera.

Um tema recorrente em seu trabalho é o preto. “O preto é, na verdade, o começo de tudo”, escreveu. Viria a usar o conceito de maneira ampla, em referência ao movimento black power, que apoiava, à matéria negra da física, ao preto do negativo fotográfico e ao negro do desconhecido da exploração espacial.

Essa obsessão se materializou numa leva de filmes curtos, alguns abstratos e frenéticos e outros mais concretos —nestes, retratou a vida de comunidades negras dos Estados Unidos e a Segunda Guerra.

Poeta, performer e ativista antirracismo, Tambellini nasceu em Siracusa, no estado de Nova York, em 1930, sendo levado com a família para a Itália quando era bebê.

Precoce, foi matriculado numa escola de arte aos dez anos. Aos 13, sobreviveu aos bombardeios da Segunda Guerra que destruíram o bairro onde morava e mataram mais de 20 vizinhos.

Depois do episódio, voltou para os Estados Unidos, onde estudou pintura e escultura antes de enveredar pela pesquisa com arte multimídia e performance.​

Tambellini passou por um resgate na última década, ganhando exposições no MoMA, em Nova York, e uma sala na Tate, em Londres, além de ter sido escalado para a Bienal de Veneza de 2015.

Publicado por Patricia Canetti às 2:51 PM


Artista Aldo Tambellini usou só preto em obras radicais que celebram a negritude por João Perassolo, Folha de S. Paulo

Artista Aldo Tambellini usou só preto em obras radicais que celebram a negritude

Matéria de João Perassolo originalmente publicada no jornal Folha de S. Paulo em 4 de novembro de 2020.

Filho de pai brasileiro e mãe italiana sobreviveu à Segunda Guerra e criou imagens com ácido em negativos fotográficos

“Quão brasileiro você pode se tornar?” Esta foi a pergunta que Aldo Tambellini escreveu no verso de um cartão-postal durante o período em que morou na capital paulista, no início da década de 1980.

Depois de participar da 17ª edição da Bienal de São Paulo, o artista ítalo-americano ficou hospedado na cidade por cerca de nove meses para tentar encontrar seu avô paterno, um ex-plantador de café.

Filho de pai brasileiro com mãe italiana, Tambellini não foi bem-sucedido na busca, mas isso não o impediu de transformar sua jornada numa série de intervenções em cartões-postais de São Paulo —sobre fotografias aéreas da cidade, colou selos, borboletas e até recortes de jornal. Enviou tudo para a sua namorada na época, que estava nos Estados Unidos, com curtas mensagens poéticas.

Um apanhado desses cartões-colagens está reunido até dezembro na exposição virtual “No Princípio Tudo Era Negro”, no site da galeria paulistana Casanova. Em vídeos, fotos, colagens, poemas, áudios e o registro de uma performance, a mostra faz uma breve retrospectiva da obra do artista, que deixou sua marca de experimentalismo na fotografia e na videoarte e também direcionou seu olhar para a vida de comunidades negras.

Na década de 1960, Tambellini começou a intervir sobre o filme fotográfico, riscando e pintando o negativo, além de mergulhar o material em ácido. O resultado —a série “Lumagrams”— são abstrações onde se veem manchas escuras sobre papel branco, em imagens que lembram buracos negros ou células humanas vistas no microscópio.

Outro trabalho de estética semelhante são os “Videograms”, em que o artista punha negativos virgens em frente à televisão e ligava e desligava o monitor rapidamente, de forma a obter a queima do filme, gerando fotografias feitas sem câmera.

Poeta, performer e ativista antirracismo, Tambellini nasceu em Siracusa, no estado de Nova York, em 1930, sendo levado com a família para a Itália quando era bebê.

Precoce, foi matriculado numa escola de arte aos dez anos. Aos 13, sobreviveu aos bombardeios da Segunda Guerra que destruíram o bairro onde morava e mataram mais de 20 vizinhos. Depois do episódio, voltou para os Estados Unidos, onde estudou pintura e escultura antes de enveredar pela pesquisa com arte multimídia e performance.

Um tema recorrente em seu trabalho é o preto. “O preto é, na verdade, o começo de tudo”, escreveu. Viria a usar o conceito de maneira ampla, em referência ao movimento black power, que apoiava, à matéria negra da física, ao preto do negativo fotográfico e ao negro do desconhecido da exploração espacial.

Essa obsessão se materializou numa leva de filmes curtos, alguns abstratos e frenéticos e outros mais concretos —nestes, retratou a vida de comunidades negras dos Estados Unidos e a Segunda Guerra.

Tambellini, hoje com 90 anos, passou por um resgate na última década, ganhando exposições no MoMA, em Nova York, e uma sala na Tate, em Londres, além de ter sido escalado para a Bienal de Veneza de 2015.

Segundo a organizadora da mostra, Jane de Almeida, esse interesse se deve à contemporaneidade de sua obra, inovadora no uso de materiais, apta a construir narrativas com imagens abstratas e sensível a questões sociais como o racismo e os horrores da guerra.

No Princípio Tudo Era Negro
* Quando até 23 de dezembro
* Preço grátis
* Autor Aldo Tambellini
* Link: https://online.casanovaarte.com

Publicado por Patricia Canetti às 2:35 PM